A sala de aula invertida é uma metodologia ativa que ressignifica o papel do professor, da aprendizagem e do aluno. Nela, o aluno é o centro do processo de conhecimento, um protagonista, que promove o desenvolvimento de um aprendizado colaborativo, ativo e investigativo.

A concepção dessa metodologia é que os alunos possam estudar antecipadamente os conteúdos das aulas, por meio de um material fornecido pela escola. O material pode ter muitos formatos, como áudios, videoaulas, textos e outros recursos que possam trazer uma maior interatividade.

Neste post, vamos falar como surgiu a metodologia ativa, quais os benefícios da sala de aula invertida no ensino-aprendizagem e qual o papel do professor nesse contexto. Confira!

Como a metodologia ativa surgiu?

É importante considerarmos que a sala de aula invertida faz parte de um grande conjunto que é a metodologia ativa. Você já se perguntou como essas novas técnicas de ensino surgiram?

O termo “aprendizagem ativa” é muito antigo. Estima-se que começou a ser usado pelo educador inglês Reg Revans (1907-2003) na década de 1930. Ele também abordou ideias como o “aprendizado pela ação”, atualmente conhecido como “action learning”. Além disso, também há estudos filosóficos que apontam a influência grega na aprendizagem significativa.

Apesar de não ser a primeira vez que falamos a respeito desse tema no meio educacional, apenas agora, com o desenvolvimento tecnológico acelerado e com alunos tão informados, que buscam por conhecimento em tempo real e, ao mesmo tempo, são tão perdidos quanto à própria autonomia, organização e com pouca paciência; que a metodologia ativa tornou-se a melhor ferramenta para as novas adaptações na área de ensino.

Quais são os benefícios?

A sala de aula invertida, por ser uma metodologia que visa o protagonismo do aluno, apresenta muitos benefícios, confira quais! 

Maior flexibilidade para o estudo

Cada estudante apresenta um tempo diferente para entender determinados assuntos. Com os recursos tecnológicos disponibilizados online pelos professores, há uma maior flexibilidade de tempo para o aluno. Assim, o estudante acessa os conteúdos em qualquer hora e lugar, melhorando o seu desempenho.

Também é possível voltar e revisar o assunto várias vezes, fazendo com que a aprendizagem aconteça respeitando o ritmo do estudante.

Construção da autonomia do aluno

Como o foco são os alunos, a implantação desse modelo possibilita uma maior autonomia com relação aos temas que são abordados. É possível que os estudantes façam seu próprio cronograma de aula e definam prioridades sobre o que pretendem aprender. Ademais, eles terão um aprendizado ativo, já que são eles que fazem seu próprio planejamento.

O papel do professor é supervisionar o que os estudantes estão pesquisando e orientá-los sobre os caminhos a serem explorados.

Acompanhamento da aprendizagem para superar as dificuldades

O primeiro contato dos alunos com o assunto acontece antes da aula, por meio da disponibilização dos recursos para o aprendizado. Com isso, o tempo em sala de aula é otimizado e melhor aproveitado. Isso pode evitar a sensação de tédio que surge em aulas muito longas, possibilitando ao professor explorar outras modalidades de aula.

A maior participação dos estudantes torna possível identificar as dificuldades e questionamentos que eles apresentam. Isso pode fazer uma grande diferença nas provas finais.

Qual o papel do professor na sala de aula invertida?

Algumas pessoas erroneamente acreditam que com as “metodologias ativas” os professores deixaram de ser tão necessários. Essa afirmação é um equívoco. Os professores continuam desempenhando um papel fundamental na aprendizagem e na formação da autonomia do discente.

Os professores continuarão acompanhando os alunos nas tarefas, saberão o momento de dar liberdade e o momento de demonstrar controle, afinal alguns aprendizes terão muita dificuldade para se adaptar ao novo ritmo.

Além do mais, é preciso considerar que tecnologia mudou muito nos últimos anos, nossos alunos igualmente. Por isso, os profissionais da educação, que desejam atuar com a metodologia ativa, também devem inserir algumas novas concepções em seu cotidiano pedagógico, como:

  • o planejamento e seleção dos materiais diversos;
  • a adoção de novas ferramentas;
  • por meio de métodos, atrair o interesse do aluno para onde a aprendizagem ativa é fundamental;
  • ser um mediador do conhecimento e não um reprodutor;
  • orientar o aluno sobre formas de organização para que ele fortaleça a sua autonomia. 
  • consolidar o conhecimento.

Como os benefícios ajudarão os professores?

Nesse modelo de ensino, o professor promove aos estudantes um processo de aprendizagem contínuo, que ocorre em diferentes espaços e possibilita ampliar os estudos. Assim, os docentes são mediadores da aprendizagem e não os expositores do conhecimento.

Logo, os educadores podem aplicar esse modelo com sucesso, já que a dinâmica da sala de aula será modificada de forma significativa. É preciso que o professor tenha paciência, pois podem ocorrer resistências por parte dos alunos no início. Isso ocorre porque muitos não utilizam o tempo fora da sala de aula para os estudos.

Como a sala de aula invertida pode ser implementada?

A implementação desse modelo exige mudanças na gestão, na dinâmica da sala de aula e na prática do professor. Por isso, alguns recursos poderão contribuir para que o educador tenha sucesso na aplicação dessa metodologia. Alguns exemplos são:

  • jogos (gamificação): são ótimos recursos, mas que precisam estar inseridos no contexto da sala de aula;
  • videoaulas: é recomendado vídeos de 5 a 7 minutos de duração;
  • quizzes: devem ser utilizados para a avaliação do aluno de forma efetiva;
  • áudio em podcasts: é bastante válido para o professor deixar algumas dicas de estudos para os estudantes;
  • artigos e textos: devem ser disponibilizados impressos ou em forma de arquivos online.

Como usar a tecnologia a favor da sala de aula invertida?

É necessário redescobrir novas formas de ensinar. A priori, precisamos trabalhar com os recursos que nossos alunos já dominam e conhecem muito bem: a tecnologia. Muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre como o meio digital pode auxiliar em sala de aula, no entanto, é preciso perceber que essa será uma forma de educá-los na utilização dos recursos tecnológicos. 

Algumas crianças e adolescentes não recebem em casa as orientações necessárias sobre “para quê”, “por que” e “como” usar determinadas plataformas de pesquisa. Por isso, a sala de aula invertida, quando mostra para o discente a possibilidade de aprender por meio do celular, do computador, dos jogos, robótica educacional, músicas e das atividades interativas, demonstra para ele novas perspectivas sobre os recursos digitais.

Atualmente, o acesso à informação independe do lugar onde a pessoa esteja. A tecnologia abre um horizonte de possibilidades para a escola como um todo e, quando bem utilizada, desenvolve o ambiente de aprendizado ativo e colaborativo, afinal, o meio digital também é um cenário de fácil comunicação e compartilhamento de ideias. 

Além do mais, com essas ferramentas, o aluno aprenderá a responder perguntas e a formular seus próprios questionamentos, tornando-se o principal responsável pela construção do conhecimento e potencializando a sua criatividade.

Por isso, se você é professor ou coordenador, não deixe de implementar a sala de aula invertida na sua escola. O uso de tecnologia educacional para o acesso à informação, colaboração entre os alunos e resolução de problemas contribui para essa implementação. Assim, é possível trazer resultados positivos para professores, alunos e instituição de ensino.

 


Gostou do nosso conteúdo? Então compartilhe nas suas redes sociais para que seus colegas de profissão também fiquem por dentro do assunto!