Devido à crescente transformação digital, muitas mudanças estão acontecendo em âmbito social e, também, em relação ao contexto educacional. Com isso, surge o conceito de escola do futuro, uma ideia que acaba por impactar as práticas tradicionais de ensino.

Assim, os gestores escolares devem compreender as tendências dessa metodologia, principalmente por oferecer uma abordagem mais inovadora de educação. Até porque, é preciso repensar o processo de aprendizagem, alocando a figura do aluno como protagonista e principal responsável por sua formação.

Para isso, separamos uma série de informações sobre a escola do futuro e, ainda, o que se pode esperar desse novo paradigma nos espaços educativos. Confira a seguir!

Afinal, o que é a escola do futuro?

Muito se fala sobre o que esperar do futuro da educação, mas o que muitas pessoas esquecem é que o futuro já chegou. O modelo tradicional de ensino foi criado em um período em que somente os docentes tinham acesso à informação. Hoje em dia, o cenário é outro, pois muitas crianças e jovens são influenciados pela transformação digital e a crescente popularização da internet. 

Ou seja, o conhecimento atualmente é mais democratizado, o que faz com que os estudantes possam ser protagonistas de seu processo de aprendizagem. E uma das metas que a escola do futuro deseja alcançar é, justamente, um novo olhar sobre a figura do aluno do século XXI, principalmente com o objetivo de estimular a sua autonomia.

Da mesma maneira, em uma escola do futuro, os discentes devem ter espaço para experimentar e expor as suas diferentes ideias e, também, trabalhar as habilidades que serão necessárias para se destacar futuramente, tanto em âmbito pessoal quanto profissional. Os professores, com isso, devem estar mais abertos para que a turma sinta segurança em compartilhar as suas opiniões, contribuindo, assim, para uma participação mais ativa diante do processo de ensino.

Quais são as inovações que a escola do futuro oferece para a educação?

De fato, o conceito de escola do futuro oferece uma série de inovações em relação à forma de se pensar as instituições de ensino, visando o seu aperfeiçoamento por meio de uma prática docente diferenciada. A seguir, listamos algumas tendências desse novo modelo e como se diferenciam da atuação educativa tradicional.

Metodologias ativas de aprendizagem

A maneira de transmitir os conteúdos em sala de aula com cadeiras enfileiradas e os alunos atuando simplesmente como ouvintes já está ficando ultrapassada. A chamada sala de aula invertida ou as metodologias ativas de aprendizagem surgem com o intuito de tornar os estudantes responsáveis pela apreensão de seu próprio conhecimento. Ou seja, a proposta é que o protagonismo estudantil torne o ensino mais dinâmico e atrativo, instigando a troca de experiências e saberes.

Uso da tecnologia em sala de aula

Sem dúvida alguma, a transformação digital vem modificando a maneira de se aprender e ensinar, tornando as disciplinas e seus conteúdos mais interessantes e interativos. Existem diversas ferramentas tecnológicas que favorecem a escola e a prática pedagógica, como a realidade virtual, a gamificação, o uso de aparelhos digitais em sala etc. O objetivo, com isso, é otimizar o desempenho escolar e, também, melhorar a experiência dos alunos.

Métodos de avaliação diferenciados

Outra tendência que se espera para o futuro é o fim das provas e avaliações da forma como conhecemos hoje. Por outro lado, dentro do novo contexto, espera-se que os professores avaliem constantemente os estudantes, mas para isso é preciso ficar atento aos resultados e quais foram os caminhos percorridos para se chegar à construção de determinado conhecimento.

Adaptação dos espaços escolares

Em uma escola do futuro os espaços escolares devem ser adaptados, por exemplo, para que as aulas possam ser realizadas ao ar livre ou, até mesmo, para que se consiga instigar os discentes a terem debates mais amplos e interessantes. No modo tradicional, a sala de aula é organizada visando destacar a figura do professor, porém no novo formato os alunos podem e devem aprender, principalmente em ambientes externos à escola, de forma autônoma e colaborativa.

Flexibilização do currículo pedagógico

Não é de hoje que ouve-se falar sobre as dificuldades de aprendizagem. Isso ocorre muito devido à padronização do ensino, o que é extremamente prejudicial quando se considera um espaço educativo. Na escola do futuro, a expectativa é que o currículo pedagógico passe por uma maior flexibilização, oferecendo, além das disciplinas obrigatórias, práticas e vivências que estimulem a participação ativa dos estudantes, tornando a apreensão do conhecimento mais prazerosa e significativa.

Suporte físico e psicológico aos estudantes

Nas instituições escolares mais tradicionais, muitas vezes as complicações físicas e psicológicas dos alunos são irrelevantes para diretores e gestores. No entanto, tal situação já tem chamado a atenção de muitos educadores, justamente porque percebe-se que os problemas dos discentes podem acabar por prejudicar todo o desempenho em sala de aula, afetando, até mesmo, a maneira de se ensinar.

Quais são os desafios da escola do futuro?

Para se implementar as mudanças que a escola do futuro prevê, é preciso que as instituições cultivem um enfoque mais interdisciplinar, fazendo conexões entre as diferentes matérias e conteúdos. Também espera-se que os estudantes possam escolher o que será estudado conforme o seu perfil e, também, com o que se deseja para a sua formação.

O professor, nesse sentido, deve planejar as aulas mais preocupado com a troca de experiências, estimulando a organização de projetos, atividades e trabalhos para que os alunos possam desenvolver as suas habilidades e capacidades. Ou seja, o docente terá um novo papel, sobretudo como facilitador e mediador do conhecimento.

No Brasil já existem escolas que estão, gradualmente, implementando as ideias do novo paradigma no cotidiano escolar. A realidade é que, devido à imponente presença da tecnologia na vida social, espera-se que as mudanças ocorram rapidamente, exigindo das instituições mais flexibilidade e abertura para acompanhar as tendências.

A ideia de escola do futuro surge, principalmente, a fim de modificar as práticas tradicionais de se transmitir o conhecimento para que se tornem efetivas e significativas para os estudantes. Assim, a tecnologia tem um papel fundamental para atender as expectativas e tendências do contexto educativo, tornando o processo de aprendizagem muito mais interativo, dinâmico e atrativo.

Gostou do conteúdo? Então, entre em contato com a Trivium e saiba como podemos ajudar você a levar esse importante conceito para a sua instituição de ensino!